Translate

Câmara Municipal quer Casa do Passal por apenas um euro - 2

quinta-feira, 24 de novembro de 2011


"A segunda morte de Aristides de Sousa Mendes", por Márcia Oliveira, publicado no jornal i em 22 Nov 2011 - 03:00


Câmara garante que não dá dinheiro para salvar da derrocada a Casa do Passal considerada monumento nacional




Foi residência do diplomata Aristides de Sousa Mendes e serviu de abrigo a milhares de pessoas perseguidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. O palacete romântico, construído na segunda metade do século xix, está em risco de ruir devido a uma guerra pela presidência na fundação com o nome do diplomata.


Actualmente, a Casa do Passal pertence à Fundação Aristides Sousa Mendes, está classificada como monumento nacional, desde 3 de Março de 2011, mas está ao abandono e ameaça ruir por completo caso não sofra obras  a curto prazo. São necessárias uma cobertura provisória e várias medidas de estabilização estrutural para que o monumento em Cabanas de Viriato, Carregal do Sal, permaneça de pé. Os dois projectos já existem, desde 2010, por iniciativa do engenheiro Vítor Cóias, presidente do Grémio das Empresas de Conservação e Restauro do Património Arquitectónico (GECoRPA), e foram entregues à Câmara de Carregal do Sal, estando mesmo aprovados pelo Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR). Falta avançarem no terreno: “Em 2000, por iniciativa de Jaime Gama, então ministro dos Negócios Estrangeiros, constituiu-se a Fundação Aristides de Sousa Mendes. A Casa do Passal passou a pertencer à freguesia, mas, “durante dez anos, o primeiro conselho de administração da fundação, de que fazia parte a Câmara Municipal, não fez nada pelo edifício, o que o conduziu ao actual estado de degradação, perfeitamente deplorável”, conta ao i Aristides Sousa Mendes, neto do cônsul de Bordéus.


Em 2005, com a morte do tio de Sousa Mendes, primeiro presidente do conselho geral, deveria ter sido iniciado um processo de eleição pela família. Só em 2008 a “família desencadeou o processo, de que resultou a minha eleição por unanimidade”, esclarece o engenheiro. O problema surgiu quando os membros do anterior conselho não reconheceram este processo e, cerca de dois anos mais tarde, em Outubro de 2010, Sousa Mendes viu-se forçado a  iniciar as suas funções e a destituir o presidente da fundação: “Este ano, a teimosia dos anteriores membros subsistiu. Não permitiram o nosso acesso às instalações, à contabilidade e restantes elementos de gestão, o que tem dificultado a nossa acção. Os pedidos de colaboração que enviámos à câmara não têm tido resposta”, lamenta.


Ao i, Atílio Santos Nunes, presidente da Câmara de Carregal do Sal, sublinha que não reconhece Sousa Mendes como presidente da fundação: “Ele apenas quer o dinheiro da câmara”, acusa. Quando questionado sobre o porquê de não dar uma resposta ao neto do cônsul, Atílio Santos Nunes responde peremptoriamente: “Porque não merece resposta.”
No dia 3 de Março deste ano, o Conselho de Ministros aprovou um decreto onde criava oito monumentos nacionais, incluindo a Casa do Passal, numa altura em que o edifício já necessitava de obras. Sousa Mendes e Maria do Carmo Vieira, também da fundação, criaram uma petição em defesa da restruturação do edifício, que conta já com a assinatura de nomes como D. Januário Torgal Ferreira, Pedro Mexia, Rui Zink, Carlos Fragateiro, Santana Castilho, Teolinda Gersão, Pedro Tamen ou António Barreto. “Aristides de Sousa Mendes é um exemplo que me ilumina”, afirma Inês Pedrosa, escritora e uma das subscritoras do documento para defesa da Casa do Passal.


Fontes:  http://www.ionline.pt/portugal/segunda-morte-aristides-sousa-mendes
Blog O Povo 
Ver também http://beijozxxi.blogspot.com/2011/08/casa-do-passal-avaliada-em-um-euro.html


Comentário: 
Será que a  Câmara, que queria ficar com a Casa do Passal por apenas 1€,  tem o direito de  reconhecer  ou não o representante escolhido pela família Sousa Mendes para presidente do Conselho Geral da Fundação?

8 Comentários:

Anónimo disse...

Não será melhor pedir ajuda ao Banco Central Europeu á União Europeia e ao FMI?

Anónimo disse...

Eu sugiro que os filhos e netos de Sousa Mendes arregacem as mangas e recuperem a casa.è o minimo que um filho deve fazer pelo legado dos pais.Como eles nunca fizeram nada por Portugal e muito menos pelo concelho de Carregal do Sal, por razão há-de a Câmara gastar lá o dinheiro dos contribuintes pagantes. A casa é de privados, logo o contribuinte não tem nada que lá investir.Os donos da casa que paguem e que trabalhem.Estou com o presidente...

Anónimo disse...

A familia de Sousa Mendes pode e deve fazer-se de trolha, e, pelo menos, reconstruir o telhado. O trabalho realizado por mão própria fica mais barato e tem mais valor.Pelo menos limpar as silvas e lixo à volta da casa.Que tal usarem as suas férias para iniciarem a recuperação da casa do avô?

Anónimo disse...

querem protagonismo e não trabalho... que façam alguma coisa pelo legado dos seus antepassados... gente de pouco brio. Pior dos parentes de Sousa Mendes somente os que os seguem... famílias de judeus protegidos por Aristides também deviam colaborar, afinal foram salvos por ele... parem de caçar palestinos e defendam a história de quem os salvou... cumprimentos e Parabéns ao Presidente Atílio.

lol disse...

Sim, finalmente,a ao fim de 10 anos na Administração, a Câmara mostrou trabalho em 2011,cortou as silvas e fez uma poda às glicínias que alastravam paredes acima.

Que tal colocar uma telha ou tapar uma janela?

Anónimo disse...

Se é patrimonio nacional,o governo só tem que tomar medidas urgentes e fazer o respetivo restauro com a maxima urgencia,näo pertence á camara nem aos familiares nem junta de frequesia tomarem esta iniciativa,que já vem com grande atraso...

Fundação Cidade Guimarães disse...

Uma fundação municipal?

Anónimo disse...

Como é que o Estado no momento em que nos encontramos vai proceder a tal restauro?
Há quanto tempo o deveria ter feito? É mais uma dívida e esta de gratidão que está por pagar!

Enviar um comentário