Translate

Estamos a viver como se tivéssemos um planeta extra à nossa disposição

terça-feira, 15 de maio de 2012
A World Wildlife Fund (WWF) realizou um "check-up planetário" e concluiu que o planeta está "doente". "O aumento da procura de recursos por uma população em crescimento está a exercer uma pressão insustentável sobre o nosso planeta."


Esta é a principal conclusão do Relatório Planeta Vivo 2012 realizado pela WWF, em colaboração com a Sociedade Zoológica de Londres e a Global Footprint Network.

"O aumento da procura de recursos, consequência do crescimento da população está a colocar enormes pressões sobre a biodiversidade do nosso planeta e ameaça a segurança, saúde e bem-estar do nosso futuro", revela o relatório, divulgado hoje a partir da Estação Espacial Internacional, pelo astronauta André Kuipers.
"Só temos uma Terra. Daqui de cima eu posso ver a pegada da humanidade, incluindo os incêndios florestais, poluição do ar e erosão", disse André Kuipers, citado pelo comunicado da WWF.
Jim Leape, director-geral da WWF Internacional, sublinha que "estamos a viver como se tivéssemos um planeta extra à nossa disposição". "Estamos a usar 50% mais recursos do que a Terra pode produzir de forma sustentável. Se não mudarmos esse rumo, este número vai crescer rapidamente – em 2030 até dois planetas não serão suficientes", alerta Leape.
Jonathan Bailie, director do programa de conservação da Sociedade Zoológica de Londres, avisa, por seu lado, que "ignorar este diagnóstico terá implicações importantes para a humanidade. Podemos restaurar a saúde do planeta mas apenas através da resolução das caudas mais profundas, como o crescimento populacional e o excessivo consumo".
"Podemos criar um futuro próspero que ofereça comida, água e energia para os 9 ou talvez 10 mil milhões de pessoas que estarão a partilhar o planeta em 2050. As soluções centram-se em áreas como a redução de resíduos, gestão inteligente da água e utilização de fontes de energia renovável que sejam limpas e abundantes – como a eólica e a solar", defende Jim Leape.

Comentários interessantes a esta noticia:

Mara [Leitor não registado] 15 Maio 2012 - 10:44

Crescimento, ganância, crescimento, todos podemos ser milionários, ter mais e mais é o que nos dá reconhecimento. Ser humilde é ser um fracassado.

Helder [Leitor não registado] 15 Maio 2012 - 09:49

Conversão
O planeta não vai acabar por causa disso, afinal apenas estamos a converter "recursos" em "lixo". Agora as condições para a humanidade sobreviver nele, isso sim, é que está a ser destruído.

Fonte: Jornal de Negócios

8 Comentários:

Anónimo disse...

Fim da linha...

Preparem-se para tempos muito negros no planeta pois a 'elite' (os chamados Illuminati) está a jogar as suas últimas cartas para implantar a sua 'Nova Ordem Mundial'.

Vamos ver coisas que nunca pensámos ver nas nossas vidas... a fome e miséria vão ser uma constante e ou abrimos os olhos e acabamos com esta 'elite' (= Grupo Bilderberg, Banqueiros, Maçonaria, FMI, Reserva Federal Norte-Americana, Bancos Centrais, Vaticano, etc.) ou então o que nos espera é uma vida de escravidão e controlo total!

Não abram os olhos não e continuem a ver tv, futebol, novelas, reality shows e depois queixem-se...!

Anónimo disse...

Actual debito universal, levara 50 anos a pagar.Pois que esse mesmo debito, e equivalente a 600 trilioes de euros. Isto e o que nos diz,
Un dos criticos da radio Norte Americana.
Aguenta e come e calate.

Anónimo disse...

Um pouco mais.
Diz que em USA, GDP e 15 trilioes ano.
Que o GDP universal e a volta de 60 trilioes.
Mas, que o debito no planeta, e istimado em 600 trilioes. Icluindo debitos das bancas,paises,e outraS AGENCIAS FINANCEIRAS.

Anónimo disse...

Thomas Jefferson disse em 1802:

"Acredito que as instituições bancárias são mais perigosas para as nossas liberdades do que exércitos armados. Se o povo americano autorizar bancos privados a controlar a emissão de sua moeda, primeiro através da inflação e depois pela deflação, os bancos e as grandes corporações que crescerão em volta deles gradualmente controlarão a vida económica das pessoas, privando-as de todo o seu património até o dia em que seus filhos acordem sem um tecto, no continente que seus pais e avós conquistaram."

Anónimo disse...

Vem da serra um infeliz
vender farelo por farinha,
passado tempo já diz
esta rua é toda minha

A. Aleixo

Anónimo disse...

Sei que pareco um ladrao
Mas ha muIta gente Que eu conheco
Sem parecerem o que sao
Sao aquilo que pareco

A. Aleixo

roger.a disse...

Po estranho que pareça, ou talvez não, a grande maioria dos versos do livro e autor (A Aleixo) citados, recuperaram grande atualidade, pelo que se justifica nova leitura à luz das realidades sociais, evolução/regressão, etc, passadas cerca de seis décadas.

Anónimo disse...

CARLOS PINTO DE ALMEIDA!...
ESCREVEU AH CERCA DE 200 ANOS...
PORTUGAL E UM PAIZ DE LEOES, DE BRAVOS E DE GUERREIROS INTREPIDOS! E TODAVIA E PARA DEPLORAR QUE QUASI SEMPRE SEJA GOVERNADO POR NULIDADES, QUE TEEM POR UNICO MERECIMENTO, MUITO ORGULHO, MAIOR IGNORANCIA.

E, DEMASIADO CYNISMO PARA OS NEGOCIOS DO
ESTADO.....
SO NOS MOSTRA O PORTUGAL QUE TIVE-MOS, QUE TEMOS, E O QUE TERE-MOS.
DO SEU LIVRO, OS HOMENS DA CRUZ VERMELHA,
TERCEIRO VOLUME, PAGINA 37.

Enviar um comentário