Translate

A solução está na exportação

sábado, 3 de dezembro de 2011
Os alemães sabem bem que na exportação é que está o ganho.

Se cada família alemã, seguindo o bom exemplo da Angela Merkel, comprasse uma garrafa do nosso Licor Beirão até ao fim de 2012, a receita de exportação daria para ?
- pagar um Submarino Tridente, e/ou
- importar uma nova frota de taxis Mercedes Benz, e/ou
- importar um Volskwagen Polo ?

Neste Natal, compre nacional !
Fonte: http://economico.sapo.pt/noticias/licor-beirao-manda-mensagem-espirituosa-a-troika_132397.html
Ver também Lições de Crises Passadas:  Exportar mais, importar menos 

6 Comentários:

A. Abrantes disse...

Quem ganha e quem perde com a União Europeia?

A população alemã é cerca de 83,0 milhões. A população portuguesa é
cerca de 10,6 milhões.

Se cada alemão comprasse, de produtos exportados por Portugal, apenas
metade do que cada português compra de produtos exportados pela
Alemanha, eramos um país rico e não tínhamos que nos rebaixar à sra.
Angela ( ou à parelha Merkozi) prometendo-lhe que "estamos a dar o
nosso melhor".

A dar o nosso melhor já estamos a dar com a tralha que lhe compramos
e eles, alemães (e franceses), fazem-nos o favor de nos comprar "umas
coisitas". E com isso, dirão eles, já nos estão a fazer um grande
favor. Pensarão os alemães, mal deste PIG (Portugal) se não comprasse e pagasse bem pago os bens e serviços que a Alemanha tem para lhe vender.

Enganam-se. Se não importássemos esses bens, mesmo os de tecnologia avançada, o país (Portugal) teria que os produzir e o rendimento ficava todo, ou grande parte dele, cá dentro.
No passado, alguns países, aplicaram políticas de “substituição de importações”, e tiveram algum sucesso. Mas, com os grandisonantes “Tratados da União Económica e Monetária “ ataram-nos os pés e as mãos. Estes 26 anos de membro de Portugal à União Europeia estão a revelar que não passamos de uma colónia económica (só económica, até ver) de alguns países do centro-norte da Europa.

Haverá alguém, por aí, com “canetas”, com sabedoria e descomprometido capaz de fazer o balanço destes 26 anos de membro da União Europeia? Onde é que estão, em Portugal, os “Centros de Estudo” , as “Universidades”, as “Fundações”, etc. para fazerem esse balanço sem entraves ideológicos ou partidários?

A. Abrantes

Carlos Peixeira Marques disse...

Orgulhosamente sós???

Exportação de pêra rocha disse...

A ETV está a dar uma reportagem muito interesante sobre o grupo Paulo Duarte e Abrunhoeste e a Confraria da Horta que estão a expandir para ganhar economias de escala e a exportar pêra rocha.

Carlos Peixeira Marques disse...

«No quadro europeu, seguindo as regras de disciplina financeira e vivendo um longo período de austeridade e de crescimento quase nulo, Portugal terá a hipótese de preservar alguma aparência de democracia e uma reduzida margem de bem-estar e de apoio social. Mesmo se com independência mitigada. Fora da Europa, com algum proteccionismo, com a reestruturação da dívida e eventualmente a cessação de pagamentos, os Portugueses conhecerão a pobreza e perderão o pouco que lhes resta de democracia. Não há volta a dar. Acreditem

roger.a disse...

É evidente que a lista das causas do estado a que isto chegou é extensa e nem sempre consensual. Mas as decisões e medidas avulso que a UE desde o seu início, tem imposto pela lei do mais forte, das quais resultou a destruição dos meios de produção com subsidios e/ou incentivos ao encerramento de atividades produtivas, representam uma boa parte da referida lista.

Pai Natal chinês leva EDP em troca disse...

Uma vez que os alemães ficaram de fora da EDP, como vamos continuar a importar os BMWs?

Enviar um comentário