Translate

Efemérides da I República

sábado, 16 de outubro de 2010
Faz hoje 100 anos que alguns beijosenses (e forasteiros?) vieram ao Terreiro para festejar o "advento republicano". A festa custou quase 20 mil reis e a subscrição pública para a financiar não conseguiu juntar nem 6 mil. Desconhece-se quem suportou o défice...

A centenária fotografia que o Batista publicou mostra meia dúzia de bandeiras republicanas, bastante parecidas com a actual bandeira nacional. Tudo leva a crer que existia em Beijós um grupo de republicanos, entusiastas do regime acabado de instaurar. No entanto, quando olhamos para os nomes que ocuparam o poder local nos anos seguintes, encontramos pessoas e famílias que o tinham ocupado nas décadas anteriores... nada de surpresas :)
Para que alguns leitores não me olhem como um suspeito reaccionário, recorro às palavras do historiador Fernando Rosas, até há pouco deputado do BE, neste livro: «O Partido Democrático, principal herdeiro da máquina eleitoral e das redes caciquistas dos partidos monárquicos, passou a manipular em exclusivo as eleições. (...) O monopólio político, a 'ditadura do Partido Democrático', era inexpugnável por via eleitoral: só cedia espaço quando este era arrebatado violentamente, através de golpes militares ou, mais frequentemente, para conjurar em proveito a ameaça de um levantamento. Também usou a força para recuperar o poder quando, pelas armas, dele se havia visto apeado» (p. 59, sublinhado meu).

Um dos principais erros do Partido Democrático foi a excessiva vingança contra a "padralhada", que arrastou consigo a usurpação de bens associados à Igreja mas que eram geridos pelas juntas de paróquia. Citando, de novo, Rosas, «[o jacobinisno afonsista] brandiu imprudentemente a Lei da Separação (1911) sob a forma de perseguições político-religiosas, numa verdadeira acção de 'terra queimada' tendente a manter, por meios alheios à concorrência eleitoral, o monopólio do espaço de intervençao política e o controlo do poder» (p. 58, sublinhado meu).
No caso de Beijós, vários republicanos se envolveram na tentativa de recuperação da Casa da Residência que o Estado tirou "ao povo". Um deles, residente em Lisboa, tentou mesmo adquiri-la, a pedido dos conterrâneos que governavam a junta. Não teve sorte... menos ainda teve naquela fatídica noite de Outubro, depois de ter sido preso numa tentativa de levantamento, quando o "seu" Partido Democrático estava apeado do poder. Faz hoje 92 anos.

18 Comentários:

Na penúria disse...

Na altura tal como hoje, apesar da gravíssima crise económica, os portugueses estão sempre dispostos a festas e jantaradas.

Este ano tem-se comemorado o centenário da República com festas por todo o país, muitas centenas de milhares de euros gastos, apesar da crise, apesar das medidas de austeridade, para as festarolas há-de haver sempre dinheiro.

A. Abrantes disse...

Ver, nas comemorações do 1º Centenário da República apenas "festas" "jantaradas" e "festarolas" não é justo. É um pouco como criticar alguém que, não tendo muitos proventos, se dá ao luxo de festejar o seu aniversário, comprar uns livros de História ou mesmo tirar e pagar um curso de Historia para saber mais e melhor de onde vem, para onde vai, porque chegou aqui, ao fim e ao cabo conhecer o seu passado para melhor se preparar para o futuro que, hoje e sempre, tem os seus desafios.
Quem visitou algumas das excelentes exposições sobre o Iº Centenário da República, (muitas delas visitáveis por mais alguns meses ou semanas, bastando para isso ir munido de espirito crítico mas despido de preconceitos), verá que estas comemorações valeram a pena e foram não uma despesa extravagante e inútil mas sim um investimento na cultura, no reforço da cidadania e no conhecimento, por isso um bom senão mesmo um excelente investimento.

Saneado disse...

Não é nada disso. É alguém que corta na educação dos filhos, não os deixa ir ao ballet ou à piscina, corta na sua saúde, na sua alimentação, põe em risco os os seus pais e avós, para fazer festas, comemorar o facto de ser República, o que interessa isso para o reforço da cidadania.

Tirar o abono de família à classe média para gastar nas 100 eventos do centenário da república, isso é uma extravagância sim senhor.

Quem disser que os 100 mil euros gastos para fazer o site do centenário da república, não é deitar dinheiro fora, dinheiro que dava para muitos abonos de família, não é sério ou simplesmente vive fora do país real, esse o mal de quem nos governa.: http://www.centenariorepublica.pt/

Lamentavelmente gastaram-se milhões de euros no centenário da república, mais milhões na cimeira da nato, mais milhões em dúzias de festarolas por todo o país, em todas as câmaras, vejam-se os milhões gastos no miserável evento das "7 maravilhas".

Isto é um povo com fome a assistir a um banquete de alguns.

Ochalá a fome não lhes permita ter forças para tomar a mesa farta de uns quantos.

Anónimo disse...

A cultura tem um preço e foi com pensamentos como este último que nós continua-mos na cauda da europa, mesmo atráz de países mais pobres do que nós, que investiram no seu desembolvimento cultural.

Em relação a pobreza há e sempre houve pobres e esses devem ser ajudados, mas a grande maioria dos que dizem ser pobres, são pobres mas é do juízo, como eu conheço alguns que deram o passo maior que a perna e mesmo com dificuldades não abdicam de certas mordomias.
Por isso é preciso destinguir entre o pobre e aquele que no meio do mês não tem dinheiro porque o gastou mal gasto e desse eu não tenho pena, é que em portugal a grande maioria, criaram maus hábitos, quem não pode andar de carro anda de bicicleta, hoje os cafés os restaurantes e os centros comerciais estão cheios com muitos dos chamados pobres.

Anónimo disse...

Seja como for, é indesmentivel que quem não tem dinheiro não tem vícios.

O facto dos nossos altos cargos dirigentes ganharem ao nível europeu e em alguns casos auferirem mais do que os seus congeneres da Europa e dos USA e inadmissivel.

Mais, é imperdoavel que com tantas medidas de austeridade que afecta toda a classe média, desses que diz "terem os maus hábitos" de andarem de carro e nos centros-comerciais e calcule que alguns até tomam banho diariamente, como ia dizendo apesar das medidas que depauperizam a qualildade de vida de milhares de famílias, continua-se a assistir impunemente a esse desenvolvimento cultural de que fala que nos custaram e custam os olhos da cara: Expo98; cimeira ibero-americana; Euro2004; Cimeira da Nato; submarinos; CCB; Casa da Música; auto-estradas para os que como diz "não abdicam de certas mordomias" mas que estão às moscas e agora a alta velocidade.
Enfim nada de que se possa tirar um euro de rendimento no futuro. Esta situação não é nova, já ocorre neste país há mais de 500 anos, sempre que houve dinheiro para gastar aconteceu o mesmo.
- Com o ouro de africa, com as especiarias da India, com os escravos do Brasil, com os fundos de coesão da UE o que se fez:
* Conventos
* Caçadas
* mosteiros
* Catedrais e igrejas
* comprou-se colecções do meslhores coches da Europa
* auto-estradas
* Estádios de Futebol
* Museus
* reservas ecologicas
etc.

Investir no povo ou em algo que dê rendimento, que crie riqueza....
nã...

Isso é um desperdício, pois vão gastá-lo para os centros-comerciais e criam maus hábitos.

Valha nos Deus que bem podia.....

beijokense disse...

@Saneado

Não exageres, o design do site custou apenas 99.500,00€ por ajuste directo à Henrique Cayatte - Design, Lda.

No mesmo dia, foi contratado, também por ajuste directo, por apenas 90.000,00€, ao sr. Henrique Frederico Cantiga Cayatte, a "Prestação de serviços de design global do estacionário da Comissão Nacional e dos materiais de suporte à comunicação dos diferentes eixos programáticos".

Está bem, o site ainda custou mais um pouco, porque a Henrique Cayatte Lda. fez o design, provavelmente com base no design global para os diferentes eixos programáticos feito pelo sr. Henrique Cayatte, mas a Comissão teve de contratar a sr.ª Sofia Tavares Macedo (31.250€) para, entre outras coisas, "criação de conceito, especificação de navegação on line; debbuging e testes de usabilidade; definição, especificação e teste de novos sites e funcionalidades web; organização e gestão de conteúdos digitais".

O importante é que a Comissão quis fazer todos estes ajustes directos dentro da lei, pelo que contratou, por ajuste directo e por 30.000€, um escritório de advogados para "assessoria jurídica relativa à preparação e acompanhamento de procedimentos de contratação pública necessários à concretização do Programa das Comemorações do Centenário da República".

Não sei o que terá sido gasto noutras formas de contratação, mas os ajustes directos estão aqui:
http://transparencia-pt.org/?search_str=nif:901775797

beijokense disse...

Ver também:
http://diario2.com/99-500-euros-por-um-site-3656, onde se explica que praticamente não houve trabalho de criação do site, uma vez que este foi feito sobre um plataforma de programação e um modelo gratuitamente disponíveis.

PPP Lusofonia disse...

Há sempre quem goste de mandar sozinho, de afastar os outros da decisão, porque são mulheres, porque são pobres, porque são analfabetos,etc.

Saneado disse...

http://www.base.gov.pt/_layouts/ccp/AjusteDirecto/Detail.aspx?idAjusteDirecto=75140

de facto a cultura tem um preço alto.

mas,
pagar para fazer, àquele preço, aquilo que o sr. e outros aqui têm feito, a meu ver melhor, a custo zero para o contribuinte é, por ventura, mais do que incúria e ignorância, roça o criminoso.
Defendê-lo é certamente ignóbil, lançar poeira nos olhos de nós pobre "incultos" dizendo que é por mossa culpa que o país está atrasado, se não fosse tão patético seria apropriado para o standup comedy, muito mais relevante culturalmente falando.

Saneado disse...

Não se afastam os outros por ser mulheres, pobres ou "incultos"....., muito menos por serem analfabetos.
só se afastam por não professarem o mesmo "sistema", ou não comerem caladinhos o que se lhes põe à frente.

Isto acontece sempre que há um tiraninho, quer seja à esquerda, à direita, ou como moda recente ao centro,
do tipo,
quem se mete connosco leva.

Já agora, voltando à vaca fria não posso deixar de dizer que, está na hora de deixarmos de pagar como os nossos impostos, aquilo que alguns apelidam de cultura, onde está o principio do utilizador pagador, se querem paguem-na essa vossa cultura, deixem que o povo escolha onde quer gastar o seu dinheiro, se querem ir aos cafés e centros-comerciais, que vão, é caso para perguntar, e depois?
Quem são estes gajos para nos imporem o que quer que seja.
São alguma elite, nascida em berço de ouro.
Querem a sua dita cultura paguem com o vosso dinheiro, não precisam de subsídios.
fónix.

Anónimo disse...

Subsídios, são bem atribuídos se for para nós.

Festas na terra, muito bem, se for para a associação muito bem, já pensou de onde vem o subsídio que a Camara ou a Junta atribui a estes eventos, pois é, dinheiro dos contribuintes, que eu também contribuo de boa vontade, porque acho bem empregue o dinheiro gasto nas festas e noutros eventos culturais que mantêm a tradição da terra.

Saneado disse...

ah

a Câmara contribui para as festas de Beijós?

a Câmara contribui para a Associação?

a Câmara contribui para "outros eventos culturais que mantêm a tradição" em Beijós?

então está bem, assim já me calo.

Desculpe, não sabia.

mas, ainda assim, penso que 100 000 euros pelo site do centenário é um desperdício.

Anónimo disse...

Sim, a câmara dá apoio monetário à associação, se o referido for requisitado, como é óbvio.

Saneado disse...

Então!

Dá apoio monetário ou não dá?

É claro que qualquer entidade pode dizer que dá...
só ainda não deu porque não foi solicitado.

Bolas.

É como os patrocinadores,
lá que patrocinam ,
patrocinam,
mas,
quando forem solicitados.

Ter politicas proactivas de dinamização e poio das colectividades e associativismo é outra coisa. Dá algum trabalho é certo.
Não há reponsável por essa área, ou se não houver ninguém a pedir para ajudar no desporto,m ninguém se lembra de dinamizar e apoiar.
Ou nas associações, como disse (ou deixou suentendido) o anónimo que a Associação de Beijós recabe subsídios.

Anónimo disse...

Saneado, deixa de fumar que essas coisas estão a fazer-te mal.

Anónimo disse...

Mas porquê, Anónimo das 17:10?

Saneado disse...

Anónimo das 17H10, lá porque haja alguém com ideias próprias, diferentes das suas, não quer dizer que seja um drogado.

Julgo que a tentativa que está a fazer para diminuir a minha intervenção neste blogue não tenha nada a ver com qualquer tipo de censura, pelo que tenho lido aqui, parece-me bastante plural.

No entanto garanto-lhe que não é meu hábito baixar de nível, qualquer tipo de discussão que tenha, esforço-me para respeitar as ideias diferentes das minhas.

Só assim posso, querer que respeitem as minhas, por isso agradeço a quem o faço. Aos outros, que é o seu caso, só desejo que prossigam a sua vida, se conseguir reflectir sobre a liberdade das outras pessoas, melhor, senão, lamento.

A falar é que a gente se entende disse...

Saneado,
Recorde-se que alguns comentários nem merecem resposta.

Quem não tem melhores argumentos recorre frequentemente a golpes baixos ou a gritos altos.

Enviar um comentário